6 de setembro de 2004

Ahmad Jamal impressiona

»Jazz no País do Improviso!» tem andado a revisitar a sua discografia do pianista Ahmad Jamal e não cessa de se espantar com o seu brilhantismo e inteligência musicais.

Três discos têm rodado incansavelmente no leitor de CD's, três discos absolutamente recomendáveis.

B000002O8V.01.LZZZZZZZ.jpg

O primeiro tem o título de «Live At The Pershing» (16/01/1958) e foi um disco decisivo na carreira de Ahmad Jamal. Não só porque atingiu o 3.º lugar do top de vendas da Billboard e aí ficou por 107 semanas... mas porque foi o ponto de viragem da sua carreira e ficou como um verdadeiro ex-libris do jazz. A utilização do espaço e tempo por Jamal influenciou largamente Miles Davis, que o teve sempre como referência.

Infelizmente este disco parece estar esgotado. Por alguma razão será...

B000003D3Q.01.LZZZZZZZ.jpg

O segundo é o «Chicago Revisited» e é uma alusão ao álbum acima mencionado, tendo sido gravado em 1992. Leia-se o que dele diz o «The Penguin Guide to Jazz on CD, LP & Cassette» (edição 1994):

"(...) Chicago Revisited could hardly be bettered as an example of contemporary jazz piano. The elegance of his lines on 'All The Things You Are', with which the set opens, is such that it could be balanced on pin".

B0000047DF.01.LZZZZZZZ.jpg

O terceiro disco, «Big Byrd - The Essence, Part 2», é uma verdadeira obra de arte do piano de Jamal. O piano parece uma autêntica orquestra e mostra-se aqui influenciado pelo jazz, pela música clássica e com uma técnica e um sentido de oportunidade musical ímpares. Ouça-se especialmente «There's a Lull In My Life» e a forma como o seu piano dialoga com o trompete de Donald Byrd em «Big Byrd».

1 Comments:

At quinta jul 28, 12:21:00 da tarde 2005, Anonymous Mateus said...

Ora aí está uma boa sugestão para o meu início de férias: vou tentar encontar um dos CD's, e ouvir com atenção, esquecendo tudo o resto durante 3 semanas. Ahamad Jamal, só conheço de ver e ouvir no Mezzo (e de nome, claro!) mas se não fosse a sua sugestão, não me ia lembrar tão cedo.
O jazz não é só John Pizzarelli, mesmo para mim.

 

Enviar um comentário

<< Home


Site Meter Powered by Blogger