7 de dezembro de 2005

50 anos de Miles Davis na Columbia/Sony

md_trumpeteye_cropped_wb.jpg
[Foto de Jeff Sedlik. Fonte: www.milesdavis.com]

A Sony music está a celebrar este ano uma data muito especial: 50 anos de ligação de Miles Davis à editora Columbia (dantes detida pela CBS e agora propriedade da Sony).

Em 1955, Miles Davis deixou a Prestige, editora para a qual tinha gravado obras notáveis, sob a direcção de Bob Weinstock, assinando um contrato de 18 meses com a Columbia, para a qual foi convidado pelo produtor George Avakian (o mesmo que havia de vender a Villas-Boas a ideia de trazer a Portugal Charles Lloyd e Keith Jarrett, em 1966).

Esta era a grande oportunidade por que Miles esperara e os 18 meses transformaram-se em 30 longos e profícuos anos, só terminando quando Miles Davis, em 1985/86, se mudou para a Warner.

B00005B58W.01._SCLZZZZZZZ_.jpg

O primeiro LP que Miles gravou para a Columbia foi «Round' About Midnight», com John Coltrane, Red Garland, Paul Chambers e Philly Joe Jones, registado em Nova Iorque, no Estúdio D da Columbia, em 26 de Outubro de 1955, e no Estúdio da Columbia na rua 30, em Junho e Setembro de 1956.

Para celebrar estes 50 anos, a Sony music reeditou em 2005 algumas das obras que Miles gravou para a Columbia, que por "acaso" são só o melhor do seu trabalho, agora remisturadas a 24 bits e com temas adicionais.

Das caves desta editora, tal como Miles Davis havia previsto na sua autobiografia, sairam agora registos nunca antes editados, como é o caso do concerto em Tóquio (só editado no ano passado na caixa "Seven Steps to Heavens").

Para os amantes de Miles (que é o meu caso) este foi um ano cheio de novidades.

Mais... os preços são na generalidade muito acessíveis, rondando os 12 euros, o que não é "nada" por obras primas e antológicas como as que estão em causa:

B0007RO4YY.01.LZZZZZZZ.jpg

Em 1963, Miles Davis entra em estúdio para gravar mais um álbum e sai de lá com a secção rítmica daquele que seria o seu segundo quinteto. Com efeito, nesta sessão participaram além do contrabaixista Ron Carter e do saxofonista-tenor George Coleman, o pianista Victor Feldman e o baterista Frank Butler, músicos estes que seriam substituídos durante as gravações respectivamente por Herbie Hancock e Tony Williams. Ainda assim estes dois músicos gravaram a maior parte dos temas e o disco seria nomeado em 1963 para as categorias Best Instrumental Jazz Performance by a Soloist or Small Group e Best Instrumental Jazz Performance by a Large Group.

B0007RO4Y4.02.LZZZZZZZ.jpg

No Verão de 1963, Miles Davis apresentou pela primeira vez na Europa o seu novo quinteto, com o qual tocou e gravou no Festival de Jazz de Antibes, em França, composto pelos neófitos George Coleman (sax tenor), Herbie Hancock (piano), Ron Carter (contrabaixo)e Tony Williams (baterista que contava apenas 17 anos...). De Portugal saíu uma verdadeira delegação de embaixadores do jazz, expressamente para assistir a este concerto. Eram eles: Luís Villas-Boas, Manuel Jorge Veloso e Duarte Mendonça.

B00079I0CE.01._SCLZZZZZZZ_.jpg

B0007OP2CA.01._SCLZZZZZZZ_.jpg

Dois registos que captam a música produzida por Miles Davis em Fevereiro de 1964, num mítico concerto realizado no Philharmonic Hall, em Nova Iorque. Ao seu lado estava o quinteto que atrás referimos. A interpretação de My Funny Valentine, no primeiro, é arrepiante de intensidade e beleza.

B0007OP2CK.01._SCLZZZZZZZ_.jpg

Neste mesmo ano de 64, Miles Davis rumou a Tóquio e aí tocou em Julho, substituindo George Coleman por Sam Rivers.

B0007OP2C0.01._SCLZZZZZZZ_.jpg

Em Setembro, Miles e o seu quinteto estavam em Berlim para mais um concerto. Saía Sam Rivers, entrava Wayne Shorter.

B00074CBFG.01._SCLZZZZZZZ_.jpg

Depois do disco marcante que foi Bitches Brew, considerado o pai do jazz-rock, e de Miles Davis at Fillmore East, Miles Davis gravava, em Abril de 1970, A Tribute to Jack Johnson, em homenagem ao pugilista negro norte-americano. Em estúdio com Miles estavam agora John McLaughlin (guitarra), Billy Cobham (bateria), Herbie Hancock, Michael Henderson (baixo eléctrico) e Steve Grossman (saxofone soprano).

[Agradecemos à Sony Music Portugal a cedência dos discos]

1 Comments:

At sábado dez 10, 10:29:00 da manhã 2005, Anonymous Anónimo said...

Falar de discos assim é fácil...para quando uma apreciação crítica dos mesmos?
Dizer que já saíu ou está disponível não chega...

 

Enviar um comentário

<< Home


Site Meter Powered by Blogger